Data(s)

02/09/2022 
23/09/2022

Local

Porto 

Informações Práticas

INSTITUTO
Rua dos Clérigos 44 R/C 4050-204 Porto

de 2 a 23 de setembro

Horários:
Segunda-feira a Sábado das 10h às 17h

Site & Redes Sociais

Apresentação

A exposição de Julia Dupont apresenta a tentativa de reconstrução de um lugar estranho, o “Château de la Mercerie”, localizado em Magnac-Lavalette (região Charentes, França).

Construído por dois irmãos de acordo com a sua imaginação, entre as décadas de 1940 e 1980, e nunca terminado, o edifício permanece em um estado entre a ruína, a não conclusão, a reformulação. O seu anacronismo e dimensão desproporcionada inspiram uma série fotográfica que questiona a noção de “estilo” em arquitetura.

A forma original deste trabalho é um livro de artista, desenhado em Paris por Julia Dupont em um exemplar único. A partir dele, a sua exposição no INSTITUTO apresentará novas tiragens fotográficas originais.

Esta exposição pessoal reunirá assim as duas partes da obra: as fotografias apresentadas nas paredes, e o livro, encenado no espaço, delimitando um espaço de leitura e prosseguindo a imersão do espectador na história e a percepção do castelo, através das imagens de arquivos que pontuam as suas páginas, entre as fotografias feitas pela artista.

A exposição terá lugar no âmbito do programa anual do INSTITUTO em 2022, “Arquiteturas, Territórios, Comunidades”.

Curadoria: Paulo Moreira

 

Biografia da artista:

Julia Dupont é uma artista francesa de origem portuguesa, sediada em Avon e Paris. Formou-se em Artes Plásticas pela Université Michel-de-Montaigne Bordeaux III em 2008-2010. Estudou Fotografia e Arte contemporânea pela Université Paris 8 em 2010-2013, onde concluiu mestrado em 2013.

As suas fotografias são fragmentos de espaços atravessados pelo tempo, que desenham as suas sensações durante o seu contacto prolongado com formas construídas, seus habitantes e suas histórias.

Colaborou com a Galerie Michèle Chomette, Paris, onde participou em três exposições colectivas entre 2014 e 2018. Em 2016, recebeu o Apoio do Centre National des Arts Plastiques, Paris, e em 2019-2020 o Apoio do Institut Camões – Centre Culturel Portugais em França, Paris, para o seu projecto Épure. Apresentou quatro exposições pessoais em França e Portugal entre 2019 e 2020, com curadoria da Pauline Lisowski na Galeria Umcebo, Paris, e com curadoria da Sofia Marçal no Museu Nacional de História Natural e da Ciência em Lisboa.

Na sequência do seu projecto Épure, a sua prática situa-se entre a França e Portugal (país de origem de parte da sua família), com vários projectos em curso.

Participou em várias exposições coletivas, em artist run spaces em Paris, em Mains d’OEuvres, Saint-Ouen, ou na Korean Society of Design Science, Seul (Coréia do Sul). Seu trabalho foi publicado em obras coletivas em França, Bélgica e Coréia do Sul. Desde 2016, sua prática fotográfica e de vídeo situa-se entre França e Portugal, onde fez três residências artísticas, no Atelier RE.Al, Lisboa (2017), e no INSTITUTO, Porto, em 2020 e 2021, com o Apoio do Institut Français du Portugal, Lisboa, em 2021.

Faz parte de várias exposições coletivas em 2022, e apresenta actualmente uma exposição pessoal, Épure – Geometrias do Ó, no âmbito da edição 2022 do Festival de l’histoire de l’art, no castelo de Fontainebleau, cujo país convidado é Portugal.

Imagens